Quem tem doenças reumáticas pode praticar exercícios físicos?

Quem tem doenças reumáticas pode praticar exercícios físicos?

Revisado por: - CRM-SC 4848 RQE 1071
Publicado em 14/03/2019 - Atualizado 19/03/2019Exercícios

reumatismo-e-exerciciofisco

Durante muito tempo, os portadores de doenças reumáticas eram orientados a manterem-se em repouso, ou seja, evitar praticar exercícios físicos. A explicação para isso era de que o exercício poderia levar à piora das lesões musculoesqueléticas decorrentes das doenças reumáticas devido ao uso das estruturas e também por liberação de citocinas (pequenas, porém potentes, proteínas pró inflamatórias).

Entretanto, com o tempo, percebeu-se que essa liberação é transitória e, simultaneamente a esse processo, ainda há a produção de inibidores de citocinas. Esse processo faz com que a sua ação não prejudique efetivamente o paciente. Desta forma, as evidências atuais demonstram que o treinamento físico pode influenciar positivamente no tratamento para as doenças reumáticas, desde que seja feito sob orientação médica.

Além de reduzir a inflamação, a prática orientada tem a capacidade de minimizar diversos sintomas, como dores musculares, articulares e periarticulares, proporcionando, assim, a melhora da amplitude e força de movimento.  

Conheça quais os benefícios de praticar exercício físico e quais os tipos de treinos mais indicados para os pacientes reumáticos.

Benefícios de praticar exercício físico

Praticar qualquer tipo de atividade física é importante, seja uma pessoa saudável ou portadora de alguma doença.

De acordo com um estudo do Laboratório de Avaliação e Condicionamento Físico da Reumatologia da Universidade de São Paulo (USP), publicado na Revista Paulista de Reumatologia, no caso do tratamento de reumatismo, os principais benefícios alcançados com os exercícios são:

  • controlar a atividade da doença;
  • melhorar o quadro de dor;
  • preservar a integridade física e psicológica;
  • diminuir comorbidades, ou seja, ocorrência de duas ou mais doenças simultaneamente;
  • atenuar os efeitos adversos provocados pelo tratamento medicamentoso;
  • melhorar a qualidade de vida.

Além disso, tarefas do dia a dia, como caminhar e se abaixar, tornam-se mais fáceis de serem realizadas pelos pacientes, devolvendo a eles a sua autoestima e autonomia.

Benefícios que os exercícios promovem em cada doença reumática

Além dos benefícios gerais de praticar exercício físico, o estudo da USP demonstrou, ainda, que algumas doenças reumáticas apresentam melhoras em sintomas específicos. Confira alguns exemplos:

  1. Lúpus Eritematoso Sistêmico: minimiza os sintomas de fadiga e depressão, melhora o controle autônomo do coração, a função celular e a qualidade de vida em geral;
  1. Lúpus Eritematoso Sistêmico Juvenil: a pesquisa mostrou que, com seis semanas de treinamento, os jovens portadores dessa doença apresentaram melhora no condicionamento aeróbio e aumento do consumo máximo de oxigênio e da tolerância ao esforço. Isso impactou diretamente na sua qualidade de vida, capacidade funcional e autoestima;
  1. Miopatias Idiopáticas: com a melhora na força muscular, na capacidade aeróbica e nos índice de funcionalidade, percebeu-se uma grande redução da fadiga;
  1. Artrite Reumatoide: com as atividades físicas, percebeu-se a redução nos quadros de dor e depressão e o aumento na mobilidade articular;
  1. Dermatomiosite Juvenil: praticar exercício físico fez com que os pacientes tivessem melhora na capacidade aeróbia e funcional, na tolerância ao esforço e na força muscular. Além disso, foi observado o aumento das massas óssea e magra;
  1. Artrite Idiopática Juvenil: além de melhorar o condicionamento físico em geral, os exercícios ajudam a preservar a integridade e a mobilidade articular.

Tipos de treino que podem ser realizados

De acordo com a Sociedade Brasileira de Reumatologia, existem três tipos principais de exercícios que podem ser realizados por portadores de doenças reumáticas. São eles:

  1. alongamento: através de exercícios suaves, há uma melhora na qualidade muscular e o aumento da flexibilidade, reduzindo a incidência de lesões;
  1. condicionamento muscular: com o uso de pesos, o que é feito na musculação, por exemplo, são trabalhadas força e resistência. Com isso, há o aumento e o fortalecimento muscular, que também é muito benéfico para evitar lesões;
  1. condicionamento aeróbico: atividades que utilizam a musculatura de modo rítmico e repetitivo, como a caminhada e o ciclismo, há a melhora nas funções do coração, pulmão e músculos. Além disso, auxilia no controle do peso e do humor, fatores que influenciam na saúde como um todo.

Para a sua segurança, é importante que os portadores de doenças reumáticas realizem exercícios físicos com conhecimento de um reumatologista e, se possível, com orientação de um profissional de educação física.
Quer receber mais dicas de prevenção e tratamento?  Siga a SCR no Facebook e Instagram!

Material revisado por:
- CRM-SC 4848 RQE 1071

Graduação em Medicina pela Universidade Federal de Pelotas – UFPEL - 1984 Especialista em Medicina Interna e Reumatologia pelo Hospital de Clinicas de Porto Alegre/RS -1985-1989 Especialista em Terapia Intensiva pela AMB e AMIB - 1994 Subespecialidade: Habilitação em Densiometria Óssea pela SBDENS/CBR - 1998 Título de especialista em Reumatologia AMB/SBR - 1988

Cartilhas

As doenças reumáticas têm maior sucesso no tratamento quanto mais cedo forem diagnosticadas. Para isso, é importante estar alerta aos fatores de risco e sintomas das principais doenças.

Ver cartilhas
cartilhas